Miriam, o boom da Bolsa é um traque!

É grande, contudo, o risco de frustração quando se correlaciona sem ressalvas movimentos de Bolsa com processos em curso na economia doméstica. Isso é ainda mais verdade quando se trata de mercados acionários, como o brasileiro, relativamente pequenos e altamente concentrados. Em recente relatório a clientes, o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, sob o título “O Brasil não é o Ibovespa”, destacou esse ponto. O que vem puxando a Bolsa são ações de empresas cujo desempenho depende pouco ou nada de uma eventual recuperação do mercado interno.
Apenas cinco papéis entre os 60 que compõem o índice respondem por cerca de 40% de seu movimento. Dois são de bancos (Itaú e Bradesco), outros dois são de produtores de commodities (Petrobras e Vale), cujas receitas são fortemente correlacionadas com as cotações internacionais, e o último é de uma empresa que, embora opere no mercado de consumo (Ambev), é bastante internacionalizada, a ponto de obter no exterior quase metade de suas receitas.

José Paulo Kupfer > PHA.

Posted in BLOG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enter Captcha Here : *

Reload Image